Resultado Mensal: Versa -15,0%, Fit -8,3%, CDI +1,1%, Ibov +1,7% (Abril+Maio 19)

0
1554

Resultados Long-Biased

29-mar-19 31-mai-19 Variação
Versa 7,20 6,12 -15,0%
Fit 1,02 0,94 -8,3%
CDI aa 6,4% 6,4% +1,1%
Ibovespa 97.416 97.030 +1,7%

 

O bimestre Abril-Maio trouxe desempenho negativo em todos os livros (long, short, opções) do Fundo Versa, com destaque para o livro vendido a descoberto, que tirou -12,2% de valor da cota. Do lado macroeconômico e político os maiores desafios foram: (1) incerteza em torno da tramitação da PEC da reforma da previdência na câmara dos deputados principalmente à luz das manifestações da população sobre o tema; (2) acirramento da disputa comercial entre EUA e China, com reflexo negativo para as perspectivas de crescimento econômico global; e (3) uma sequência de ajustes negativos nas estimativas de crescimento para o PIB brasileiro em 2019. Além disso, tivemos eventos isolados em posições específicas (exemplos: Natura, Suzano) com forte impacto na carteira. Seguimos otimistas com a agenda de reformas, que mais recentemente ganhou tração com a instalação e andamento da comissão especial da reforma da previdência. Com isso, mantivemos o viés comprado em ativos de risco da carteira, e aumentamos a exposição comprada na moeda local (vendida em dólar) via opções, mirando um cenário que se mostra cada dia mais provável: uma reforma grande suficiente para curar o Brasil de sua doença fiscal crônica no longo prazo. Acreditamos que a aprovação da reforma irá desobstruir o horizonte de investimentos no Brasil, gerando impactos positivos para atividade doméstica e para a balança de pagamentos, favorecendo o cenário para nossa carteira comprada em bolsa e vendida em dólar. Abaixo, falamos dos destaques positivos e negativos do bimestre.

Livro Posição Versa P&L Versa Posição Fit  P&L
Fit
Long 227,5% -0,8% 121,0% -0,8%
Short -161,0% -12,2% -88,4% -5,6%
Opç Bolsa 68,5% -2,7% 35,5% -1,7%
Opç Dol -94,5% -2,4% -55,4% -1,4%
CDI +1,1% +1,1%
Taxas +1,4% -0,1%
Resultado -15,0% -8,3%

Destaques Positivos

Δ Ação Versa Fit
TRIS3 +29,8% +4,8% +2,4%
LCAM3 +14,4% +2,8% +1,5%
BTOW3 -25,6% +1,7% +1,0%
EVEN3 +15,0% +1,7% +0,9%
VVAR3 +11,4% +1,6% +0,9%

maiores ganhos em abril-maio

Trisul: As ações da empresa subiram +29,8% no período, reagindo a um resultado excepcional da Cia no primeiro trimestre.

Unidas: As ações da Cia subiram +14,1% no bimestre, reagindo a um ótimo resultado no primeiro trimestre, que mostrou crescimento em duplo-dígito de todas as linhas de negócio da empresa. A Unidas, investimento antigo do Fundo Versa, está conquistando uma posição de mercado compatível com os melhores e maiores players do setor.

B2W: As ações da B2W caíram -25,6% no período refletindo renovadas preocupações com o potencial gerador de caixa da Cia além de preocupações com o fraco desempenho da economia diante de uma tramitação mais longa eventualmente desidratadora da PEC da reforma da previdência. Ambos temas apareceram no resultado do primeiro trimestre da Cia. A maior parte da receita da empresa vem do mercado doméstico e depende de um consumidor confiante sobre sua empregabilidade e perspectiva de renda.

Even: As ações da empresa subiram +15,0% no período, reagindo a um resultado positivo da Cia no primeiro trimestre, com crescimento de faturamento de +43% ano/ano e aumento expressivo de rentabilidade.

Via Varejo: As ações da Via Varejo subiram +11,4% no período, diante de especulações de que a participação que o Grupo Pão de Açucar na empresa será vendida ao fundador da Cia (Samuel Klein).

Destaques Negativos

Δ Ação Versa Fit
NATU3 +32,1% -4,5% -2,0%
BIDI4 +27,1% -3,3% -1,7%
SUZB3 -31,1% -3,3% -1,6%
VLID3 -22,9% -2,5% -1,4%
USIM5 -18,3% -2,2% -1,4%

maiores perdas em abril-maio

Natura: As ações da Natura subiram +32,1% no bimestre, respondendo de forma equivocada em nossa visão ao anúncio de que a Natura irá adquirir a Avon.

Banco Inter: As ações do Banco Inter subiram +27,1%, com o mercado novamente atribuindo valor excessivo ao crescimento forte de clientes ativos do banco digital. Seguimos cautelosos com a potencial do banco de monetizar sua crescente base de clientes, considerando a competição ferrenha para captura de clientes que, no fundo, buscam o menor preço. Não enxergamos vantagem competitiva de longo prazo no fornecimento de serviços financeiros digitais no Banco Inter vs. seus competidores que, em muitos casos, têm bolsos mais fundos para competir.

Suzano: As ações da Suzano perderam -31,1% do seu valor no bimestre após a empresa divulgar seu primeiro resultado desde a fusão com a Fibria. O resultado demonstrou que o atual ambiente ruim de preços e demanda por celulose traz riscos sérios para a trajetória de desalavancagem financeira da Suzano. Aproveitamos para zerar nossa posição em Suzano nas últimas semanas, mas seu desempenho negativo não deixou de impactar o resultado do bimestre.

Valid: As ações caíram -22,9% no período, respondendo a um resultado fraco no 1o trimestre. A rentabilidade dos setores de meios de pagamentos e identificação vieram abaixo do esperado pelo mercado.

Usiminas: Ações caíram -18,3%, devido à decepção no ritmo de atividade industrial no país à espera da tramitação da reforma da previdência. Os dados de demanda de aço no primeiro trimestre do ano vieram praticamente em linha com o mesmo período do ano passado, enquanto o mercado trabalhava com uma expectativa de crescimento de ~6% para o ano de 2019. Além disso, o resultado do 1Q19 da Usiminas revelou uma dinâmica de preços ruim para o segmento industrial e para a distribuição, mesmo com ventos favoráveis ao preço do aço na China e no câmbio. A leitura é que a demanda final está realmente decepcionando, tornando mais importante a agenda reformista do governo para destravar o crescimento econômico.