Resultado Mensal: Versa -12,1%, Fit -7,8%, CDI +0,5%, Ibov -0,7% (Ago/19)

0
1084

Resultados Fundos

31-jul-19 30-ago-19 Variação
Versa 7,31 6,43 -12,08%
Fit 1,03 0,95 -7,78%
Tracker 1,23 1,20 -2,87%
Charger 1,20 1,23 +2,38%
CDI aa 6,4% 5,9% +0,50%
Ibovespa 101.812 101.135 -0,67%

 

O mês de agosto trouxe uma série de desafios para o cenário político e econômico externo, incluindo acirramento da guerra comercial entre EUA e China, a vitória da chapa Fernandez/Kirchner nas primárias da Argentina e um aumento da probabilidade de um “no deal Brexit” no Reino Unido. No Brasil, apesar de ruídos em torno das queimadas na Amazônia e seus eventuais impactos negativos para o comércio exterior, o fim do mês veio com uma surpresa positiva na divulgação do produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre de 2019, que cresceu mais que o esperado pelo mercado. Trata-se de o primeiro dado concreto de que a economia brasileira está se recuperando desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência. Importante mencionar que o crescimento, apesar de ainda lento, mostra sinais de boa qualidade, pois a atividade está recuperando mesmo com: (1) choques externos como a guerra comercial e a recessão na Argentina; (2) forças contrárias (e necessárias) à atividade doméstica vindo do ajuste fiscal e da redução do BNDES e do crédito público no sistema financeiro; e (3) um processo ainda demorado de reformas. Nossa avaliação é que a economia está surfando um “crowding-in”. O setor privado está aos poucos recuperando protagonismo na alocação de recursos produtivos da economia. É o tipo de crescimento que, na falta de novos choques relevantes, indica uma recuperação interna sustentável. Veja abaixo o desempenho dos principais indicadores e ativos de risco do mundo no mês.

  • Índice de ações de NYC: S&P -1,8%
  • Índice de ações de Londres: FTSE -5,0%
  • Índice Bovespa: IBOV -0,7%
  • Petróleo: Brent -7,3% @ $60,4/bbl
  • PMI Alemanha +0,69% M/M @ 43,5
  • PMI EuroZone +1,08% M/M @ 47,1
  • PMI China -0,40% M/M @ 49,5
  • PMI EUA -0,94% M/M @ 51,2
  • Câmbio: USD/BRL +8,66% @ 4,15
  • Câmbio: USD/ARS +35.6% @ 59,5

Guerra Comercial EUA x China: A guerra comercial entre os EUA e a China tomou novas proporções, com Donald Trump anunciando em primeiro de agosto uma tarifa de importação de 10% na parcela de importações da China que ainda não tinha tarifa (US$300 bilhões em produtos importados). Após essa escalada inicial por Trump, a China respondeu com novas tarifas (5% a 10% em US$75 bilhões de importações americanas; 25% de tarifas em veículos americanos) no dia 23 de agosto. Trump respondeu no mesmo dia com aumentos nas tarifas existentes (de 25% para 30%) e nas tarifas novas (de 10% para 15%).

Brasil: Os dados de PIB para o segundo trimestre mostraram um avanço de +0,4% sobre o primeiro trimestre do ano, contra expectativas de um crescimento de +0,2%. Olhando por categoria, vemos uma contribuição menor dos gastos do governo (-1,0%), enquanto o investimento privado subiu +3,2%. Comparado com o mesmo trimestre do ano passado o crescimento do PIB foi de +1,0%, também acima da expectativa (+0,8%). Como dito acima, uma maior contribuição do setor privado é saudável, pois investimentos privados contribuem para aumento da produtividade da economia no longo prazo. Outro sinal de que isso está acontecendo vem do mercado de crédito, onde desde o início do ano a originação vinda de bancos públicos caiu -2,9% a/a enquanto a dos bancos privados subiu +5,1% a/a. Nos dados mais recentes esse efeito acelerou: em julho o crédito vindo de bancos públicos retraiu -2,2% a/a e o de bancos privados subiu +13,3% a/a.

Além da melhora do PIB e do mercado de crédito, os dados do IBGE mostraram novamente melhora no mercado de trabalho, com a taxa de desemprego retraindo de 12,5% no trimestre encerrado em abril para 11,8% no trimestre encerrado em julho. De acordo com o IBGE, a melhora no desemprego ainda é relacionada ao aumento do trabalho informal, ou sem carteira assinada. E apesar de ter caído, a taxa segue alta.

Destaques Setoriais e da Carteira

Conforme escrevemos na carta When the going gets tough, the tough get going a maior perda dos fundos nas últimas semanas veio do livro de opções. Para o mês de agosto, as opções de bolsa tiraram -3,0% da cota do Versa, e as opções de dólar tiraram -8,2%.

A segunda maior perda do mês veio do livro vendido a descoberto, liderada pelas ações do Banco Inter, Magazine Luiza, e BOVA11. Banco Inter e Magazine Luiza seguem desafiando os fundamentos que deveriam ditar a relação preço x geração de valor. No preço atual, as ações da Magazine Luiza (+10% em agosto) negociam acima de 80x lucro um prêmio de 50% para a própria Amazon. As ações do Banco Inter (+21% em agosto) atribuem valor excessivo ao indicador mais citado pelos que gostam da empresa: seu número de clientes. Acreditamos que o mercado de “banco digital” está passando por um processo de aumento de competição importante, o que torna cada vez mais difícil a monetização da base de clientes. Os contratos de BOVA11 são novidade na carteira do Versa: vieram para compor boa parte do livro vendido a descoberto, em complemento ao componente “ativo” da estratégia vendida a descoberto. BOVA11 é um fundo passivo que busca replicar a carteira do índice bovespa. Usar contratos de BOVA11 dentro do livro vendido a descoberto nos permite alavancar na compra sem aumentar a exposição bruta da carteira. Quando usamos opção de índice para aumentar a exposição comprada, essas fazem o net do BOVA11 de forma que a exposição líquida (comprada) aumenta, mas a exposição bruta fica igual. Além disso o BOVA11 tem alta liquidez e está menos sujeito a short squeeze, tornando mais “seguro” o financiamento da ponta comprada da carteira long & short.

Por último, tivemos dois destaques negativos na carteira de ações compradas: Vale (VALE3 -8,5%) e Iochpe (MYPK3 -10,7%). A Vale sofreu com: (1) a piora na guerra comercial entre EUA e China. A China é o maior comprador de minério de ferro no mundo e sua economia é sensível ao aumento de tarifas comerciais impostas pelos EUA; e (2) a queda nos preços do minério de ferro, que caíram -25% e terminaram o mês de agosto em ~$85/ton. Já esperávamos uma acomodação nos preços do minério de ferro dado o gradual retorno dos níveis de produção da Vale após o rompimento da barragem de Brumadinho. Nas nossas estimativas, as ações da Vale estariam “baratas” mesmo se os preços voltassem para os $75/ton de antes da tragédia. Além disso, o mês de agosto trouxe duas novidades positivas para a Vale: o aumento do dólar frente o real e a forte alta nos preços de níquel, após imposição de barreiras à exportação da commodity pela Indonésia. As ações da Iochpe, uma das empresas mais “globalizadas” da carteira, sofreram com a piora do ambiente global nas últimas semanas. A Iochpe é a maior produtora de rodas automotivas no mundo. Seu negócio é diretamente ligado à atividade industrial e investimento em capital fixo em diversas regiões do mundo, e sua perspectiva de negócios sofre nesse clima de desaceleração global.

As perdas do mês foram minimizadas pelo bom desempenho, novamente, das ações ligadas ao setor imobiliário (TRIS3 +38,0%, BRPR3 +9,6%, EVEN3 +15,5%). Dentro da melhora do investimento privado que citamos acima há um destaque para o setor de construção civil, principalmente no nicho de média/alta renda em São Paulo, onde o volume de vendas vem aumentando, permitindo lançamento de novos projetos residenciais. Além disso, a Caixa Econômica Federal anunciou em meados de agosto uma nova modalidade de crédito onde as parcelas iniciais são 30 a 50% menores que na modalidade anterior. Mais detalhes sobre esse tema no comitê semanal de 26/08. Por último, tivemos bons resultados nas posições compradas em Unidas (LCAM3 +10,0%) e Via-Varejo (VVAR3 +0,13%). A primeira é e continuará sendo posição relevante para a carteira comprada do Versa. A segunda, apesar de ter subido pouco no mês de agosto como um todo, nos deu oportunidade de compra no meio do mês quando caiu -18,0%. Após o low em 26/08 as ações tiveram forte alta de +19,0%.

Livro Posição Versa P&L Versa Posição Fit  P&L
Fit
Long 229,8% +0,54% 112,7% +2,9%
Short -145,8% -5,86% -73,4% -4,31%
Opç Bolsa 64,8% -3,00% 32,8% -1,50%
Opç Dol -77,1% -8,17% -48,5% -5,41%
CDI +0,50% +0,50%
Taxas +3,30% +0,1%
Resultado -12,08% -7,78%

Destaques Positivos

Δ Ação Versa Fit
TRIS3 +38,04% +6,67% +3,23%
BRPR3 +9,56% +2,21% +1,07%
LCAM3 +10,10% +2,08% +1,03%
EVEN3 +15,51% +1,71% +0,84%
VVAR3 +0,13% +0,95% +0,47%

maiores ganhos em agosto

Destaques Negativos

Δ Ação Versa Fit
VALE3 -8,51% -3,25% -1,59%
BIDI11 +20,79% -2,70% -1,55%
MGLU3 +10,07% -2,50% -1,18%
MYPK3 -10,67% -1,77% -1,06%
BOVA11 -0,38% -1,28% -0,65%

maiores perdas em agosto

Disclaimer: As opiniões, análises e informações contidas nesse artigo não constituem recomendação de investimento, nem tampouco material de oferta para subscrição, compra ou venda de títulos ou valores mobiliários, instrumentos financeiros, cotas em fundos de investimento ou qualquer produto ou serviço de investimentos. Declarações contidas neste artigo relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros, bem como referências ao potencial de crescimento das companhias citadas, constituem meras previsões, baseadas nas expectativas do analista responsável em relação ao futuro. Essas expectativas são altamente dependentes de fatores incertos, como o comportamento do mercado, da situação econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais. Portanto, cada declaração aqui escrita está sujeita a mudanças, e não deve ser utilizada como insumo para qualquer estratégia de investimento pessoal ou institucional. A Versa Gestora de Recursos Ltda., seus sócios e colaboradores, por meio dos fundos de investimentos da casa, podem ou não estarem posicionados em títulos e valores mobiliários de emissores aqui mencionados, de forma que eventualmente influencie nas opiniões e análises aqui presentes.