Você sabe como definir se um projeto gera ou não valor para uma empresa?

0
439

Uma empresa cresce fazendo investimentos que façam sua receita e seu lucro crescerem. Os recursos para fazer esses investimentos devem vir ou de empréstimos ou dos donos da empresa (acionistas). Para saber se os projetos geram valor para a empresa, é necessário avaliar se o retorno do projeto é superior ao custo de se obter capital. Quando o dinheiro vem de empréstimos o custo de capital é o juros. Quando o dinheiro vem dos acionistas da empresa, o custo de capital é o retorno que o acionista abre mão de obter em investimentos alternativos para perseguir o projeto. Do lado da companhia, a estimação precisa de seu custo de capital a ajuda a tomar decisões importantes sobre quais projetos devem ser aprovados e quais não devem ser feitos.

O diagrama abaixo ilustra o ponto no qual todas as empresas buscam estar: captando o máximo de recursos possíveis para tocar o máximo de projetos com retorno acima do custo de capital. Lendo o diagrama de esquerda para a direita, veja que a empresa tem 6 projetos potenciais, ordenados pelo seu retorno esperado (do maior ao menor). Como dinheiro é escasso, o custo de capital aumenta junto com a quantidade de recursos captados, de tal forma que quanto maior o número de projetos tocados, maior será o custo de capital do orçamento total. Nesse caso, os primeiros 4 projetos tem retorno igual ou acima do custo de capital, e podem ser aprovados. Os projetos 5 e 6, últimos na ordem de preferência dado os retornos menores, ficam de fora.

Interessante notar que, se existisse somente o projeto 5, e sua necessidade de capital fosse inferior à quantidade indicada na linha vertical cinza, ele seria aprovado e entregaria retorno acima do custo de capital. Por que ele é rejeitado? Nesse caso específico ele é rejeitado por existir outros projetos mais atraentes, que consomem o capital disponível de menor custo.

Esse mecanismo levanta um ponto importante sobre gestão e governança das empresas, que deve ser levado em conta para toda empresa que o investidor avalia. Uma empresa mal tocada poderia tranquilamente seguir com o projeto 5 em detrimento de outros projetos mais favoráveis, dando preferência a fatores fora do diagrama. Empresas estatais são famosas por fazerem isso. Elas aprovam projetos por motivos fora do diagrama, como geração de empregos, fornecimento para consumidores de baixa renda, etc. Esses motivos podem até mesmo serem nefastos, como desvio de verba pública e financiamento de partidos políticos. Essas empresas arriscam entrar em duas armadilhas: (1) abrir mão de bons projetos e portanto aceitar retornos abaixo do ótimo no longo prazo; ou (2) tocar mais projetos que cabem no orçamento de capital, incorrendo prejuízos e colocando em risco a sustentabilidade operacional e financeira. O caso mais lembrado disso aqui no Brasil é a Petrobras na sua gestão anterior, que tocou essa estratégia até conseguir o título de empresa mais endividada do planeta.

As empresas que você investe, ou até mesmo a sua empresa, toma decisões com base no diagrama?